Biografia

Manu - SomeOneLikeYou

Manu Lafer é autor de mais de 300 músicas, mais de 100 delas já gravadas. Em 1995 começou a divulga-las com um trio, até o início da gravação de seu primeiro cd, Baião da Flor, em 1997, mesmo ano de sua formatura e do início de sua carreira médica. Foi inspirado e influenciado pela discoteca materna (“lá só havia música de qualidade”, no dizer da cantora Marlui Miranda) ou, como todos nós, simplesmente pela tradição e pelo poder de atração da música brasileira. Em 1998 o cd é lançado pelo selo Palavra Cantada, de Paulo Tatit e Sandra Peres, com distribuição da gravadora Eldorado, e começa oficialmente a sua carreira.

Manu está entre os raros estilistas da composição, e é adepto de experiências e variações que justificam a quantidade (para um médico pediatra) e a inquietude de seus álbuns. Suas canções são autorais na harmonia, inventivas nos ritmos, com melodias de aparente simplicidade mas cativantes e de fácil retenção, e são apoiadas na tradição do passado, dos chamados cantores do rádio.

A canção nacional se afirmou e incorporou samba, baião, marcha, foxtrotes, boleros, sambas canção e outros estilos que viraram motes sempre renovados e reabordados nas criações do autor, também fã do cancioneiro norteamericano (musicais, big bands, filmes, rádio, jazz e pop do final dos anos 50 até os anos 70), e que portanto se define musicalmente como um panamericano.

A carreira de médico pediatra está baseada na Escola Paulista de Medicina (ou UNIFESP), e inclui um doutorado em pediatria, passagens como pesquisador na Universidade de Columbia, em Nova Iorque, na Food And Drug Administration (FDA), Maryland, e atuações em Saúde Indígena, Vacinações, Virologia, Saúde de Família e Comunidade, e colaborações com O Centro Assistencial Cruz de Malta, com o Ministério da Saúde e com o Hospital Israelita Albert Einstein, onde atualmente é pesquisador. Apesar de instado a escolher entre as duas carreiras, Manu optou por ignorar o dilema, tendo tido a sorte e a obstinação de ter a atividade musical impulsionada pela carreira que deveria ter sido um trade-off, o mesmo aplicando-se à desafiadora carreira de médico. No seu dizer, procurou desde muito jovem evitar duas coisas na vida: tornar-se um músico amador e tornar-se um músico profissional.

Em hebraico bíblico, a canção, shir, denota um ciclo (como a cantiga de roda, ou a vontade de cantar novamente), e ao mesmo tempo uma impressão, um resíduo (no dizer de Irving Berlin, “the melody lingers on”), uma vivência. Talvez sejam esses os caminhos da música, para crianças e adultos em busca de alegria. Além dos trabalhos citados na discografia, outros estão em curso, e o autor agradece a tantos parceiros, colaboradores e incentivadores.

Formação: estudou violão com Luiz Tatit, sua maior influência, Cezar Mendes Nogueira (sobrinho de Paulinho Nogueira) e Ítalo Perón; canto com Ná Ozzetti, Fernanda Gianesella e Wagner Barbosa (especialista na técnica de speech level singing).

Discografia: desde Baião da Flor (1998) são 15 cds autorais, sendo 4 lançados em 2016 e 2 em 2017. Nessa discografia estão incluídos os coautorais com Danilo Caymmi, Mateus Aleluia, Luiz Brasil e Germano Mathias. Seus únicos registro ao vivo (afora vídeos disponíveis na internet de modo geral) não estão em cd, mas nos dvd A Lente do Homem (2008), com a banda montada por Fabio Tagliaferri e The Word (2017), com os músicso Maude Maggart, Ehud Asherie e Howard Alden.

Parceiros: o mais constante, Danilo Caymmi, fez contato com Manu após assisti-lo em um programa de televisão (Sem Censura, apresentado por Leda Nagle); também compôs com Luiz Tatit, Dori Caymmi, Fabio Tagliaferri, Guilherme Wisnik, Alexandre Barbosa de Souza, Bruno Cara e outros. Fez o refrãp de Perfect Afternoon de John Pizzarelli e Jessica Molaskey por encomenda destes, que lançou numa versão ampliada como Canto Casual, nome de um de seus cds. É colaborador e admirador dos sapateadores e educadores Steve Zee, Kika Sampaio e Susan Baskerville.

Produtores: quase toda a sua obra é assinada por Alê Siqueira (Os Tribalistas), com um dvd assinado por Deo Teixeira, outro por este e pelos premiados diretores Juliano Salgado, Stefano Capuzzi e Filippo Capuzzi e um cd assinado por Swami Jr (Omara Portuondo) e Fabio Tagliaferri.

Arranjadores: colaboração mais extensa com Lincoln Olivetti (por 11 anos, com assinatura de produção e arranjos em dois álbuns completos), Jacques Morelembaum, Luiz Brasil, Dori Caymmi, Andre Mehmari e Jetter Garotti Jr. Nos show é dirigido por Fabio Tagliaferri desde o lançamento de seu primeiro cd. Como violonista, tem dois trabalhos com arranjos de referências internacionais, um com o duo Swami Junior (7 cordas brasileiro) e Howard Alden (guitarra de 7 cordas e banjo), Trip The Light Fantastic, e outro com o violão do maestro Dori Caymmi, sendo o primeiro abrilhantado pelos virtuoses do jazz Ken Peplowski (clarinete) e Warren Vaché (trompete). Atualmente está trabalhando com Sandro Albert.

Intérpretes: foi gravado por Nana Caymmi, Danilo Caymmi, Dori Caymmi, Ná Ozzetti, Mateus Aleluia, Germano Mathias, Karina Zeviani, Mariana Bernardes, Monica Salmaso, Cris Aflalo, Josyane Melo, Marcelo Pretto, José Miguel Wisnik e Jeanne Gies, entre outros. Mais recente foi gravado por, Maude Maggart e John Pizzarelli (Perfect Afternoon).